Desafio das Praias – Joinville

Sexta-feira dia 14/08 as 18hrs partimos para Joinville, Eu, Gustavo e Joel com nossas respectivas bikes ja previamente arrumadas no carro com 2 no rack de teto e uma acomodada dentro.

Carro carregado e pronto para a viagem.

Chegamos em Joinville por volta das 20horas e aproveitamos para dar uma passada na loja Decathlon para conhecer a loja, ver os produtos e aproveitar para comprar alguns itens. Logo depois de um “loooonnnnngooo” tempo dentro da maior rede de lojas de esportes do mundo, seguimos para o Hostel aonde iriamos pernoitar.

  

 Após os procedimentos de check-in e informações detalhados do funcionando do hostel, partimos para descarga do carro e deixar as bikes arrumadas e pronta para o pedal do próximo dia. Saímos para um fazer um lanche e retornamos para o descanso.

Acordamos pelas 06 horas, começamos a nos arrumar e próximo as 06:30 fomos informados que o café já estava servido. Todos pegaram suas bandejas e foram ao refeitório. Depois da alimentação, lavamos a louça, pagamos os consumos de água para viagem, arrumamos os alforges na bike e partimos para o Carl Hansen aonde estava marcado a saída.

Com um pouco de atraso partimos para o passeio, mas com o imprevisto do carro que iria levar as mochilas para o pessoal que não possuía alforges, não ter aparecido. Acomodei as coisas do Joel em meu alforge, o Fabico carregou as coisas do pirão e o Gustavo amarrou no topo de seu bagageiro as coisas do Guilherme que estavam em uma mochila.

Credito: Felipe Munhoz
Credito: Felipe Munhoz

Nosso trajeto iniciou pela cidade em sentido a BR 101 para cruzar a rodovia e seguir pelo interior sentido São João de Itaperiú. No caminho fizemos algumas paradas para reagrupar o pessoal.

Seguimos por estradas não pavimentadas por vários quilômetros, passamos por bares, mercadinhos, ponte pênsil, pontes de concreto e cachoeiras até chegar em nosso primeiro ponto de travessia, dentro de uma propriedade particular.

A travessia neste ponte foi realizado através de um balsa manual, manobrada com cabos de aço e cordas através da força. Para nos ajudar, o proprietário do local veio dar uma boa ajuda.

Após a travessia de balsa seguimos ainda por vários quilômetros até chegar novamente a BR-101 aonde nos deslocamentos alguns metros do percursos para fazer uma parada para almoço. A partir deste ponto seguimos sentido as praias de Balneário Barra do Sul e a dificuldade do trajeto, pois a areia na estrada começou a ficar mais espessa.

A parte final do percurso do primeiro foi mais puxada e conforme fomos margeando o canal era possível observar a maré a subindo até encontrar alguns trechos alagados pelo caminho.

Foto de Felipe Munhoz

Foram bastante quilômetros com areia fofa e após já termos rodados mais de 70km o pedal começou a ser bastante cansativo, mas a sorte foi que ao chegar ao Hotel Bandeirante eles estavam nos esperando com um ótimo lanche para repor as energias.

Check-in feito e banho tomado. Era hora de dar uma boa descansada e aguardar o horário do jantar que logo mais seria servido no saguão do hotel. Após o jantar o Hotel disponibilizou um lugar seguro para as bikes serem guardadas até a manhã do próximo dia.


Percurso do primeiro dia do Desafio das Praias – Joinville>Balneário Barra do Sul

Acordamos pelas 06 horas e quando eu e o Gustavo chegamos ao restaurante o Pirão já estava tomando café, enquanto Fabico e Joel ainda estavam no quarto. Antes de sair para pedal o pessoal que organizou o passeio repassou algumas indicações das travessias que seriam realizadas, a iniciar pela primeira que era já na saída do hotel.

Após realizar a travessia do Canal do Linguado que faz a divisa de Balneário Barra do Sul com São Francisco do Sul iniciamos o pedal fazendo o percurso pela praia aproveitando sempre a parte mais firme da areia. Foram cerca de 7km até chegar a praia do Ervino, primeira região habitada do litoral de São Chico.

Deste ponto em diante, seguimos pela rua paralela a praia. A quantidade de areia neste trecho era muito grande, o que era considerado difícil ontem, tornou-se fácil perto da dificuldade no dia de hoje. Passamos pelo Parque Estadual do Acaraí que é cheio de dunas e protegido da ação do homem, foram mais de 20km de um pedal cansativo, que não rendia, com bastante dificuldade e de muito tombos até chegar a Praia Grande. Passamos também pela Praia da Enseada e Ubatuba até chegar a Praia do Forte, aonde subimos até o Forte.

  

Após passar pelo Forte rodamos mais alguns quilômetros até chegar ao Centro Histórico aonde pegamos um barca para travessia da Baía da Babitonga para chegar ao pier da Vila da Glória, aonde iriamos fazer nosso almoço.

 

Após o almoço continuamos o percurso previsto em direção ao Ferry Boat do Vigorreli que nos levaria até Joinville na região próxima ao Aeroporto. Chegamos no momento que o ferry estava se aprontando para a travessia, embarcamos e seguimos viagem navegando novamente pela Baia da Babitonga.

Após a travessia, o Gustavo que já havia identificado alguns raios da roda traseiras quebrados teve um novo dano na roda da bike o que deixou ela muito torta impossibilitando seguir viagem. Pela região ali próxima não ser muito segura, conseguimos um carona para ele até o Aeroporto aonde ficou esperando retornarmos de carro para pegá-lo.

A parte final do percurso foi dentro da cidade e como estava escurecendo foi um pouco bagunçada, acelerada e estressante até certo ponto devido ao volume de tráfego de carros, mas chegamos inteiros mas cansados do percurso do 2 dia.



Confira o álbum de fotos do passeio:

Confira o percursos completo:

Cicloturismo em São Francisco do Sul – Vila da Glória

Após a impossibilidade de poder participar dos eventos realizados na cidade de São Francisco do Sul em Santa Catarina, ficou a vontade de pedalar pela região, principalmente depois da leitura de várias relatos e fotos destes eventos. Brusque está a aproximadamente 140km de São Chico, apelido que a cidade recebe, então porque não se deslocar até a cidade num final de semana qualquer.

Hospedaria da BicicletaSaiba mais sobre a histórica de São Francisco do Sul clicando aqui.

Os eventos realizados em 2013 foram organizados pela Hospedaria da Bicicleta e “fuçando” um pouco pelo site fiquei conhecendo um pouco do trabalho diferenciado que fazem na cidade em especial quando o assunto está relacionado a bicicleta.

E então apareceu a oportunidade, com a esposa e filha viajando para SP iria ficar sozinho em Brusque e decidi marcar a viagem e convidar alguns amigos para o pedal. A maioria do grupo já tinham compromissos marcados para a data, ficamos em apenas 4 pessoas confirmadas para o pedal.

Chegou sexta-feira dia 13 de Setembro, é uma sexta-feira treze, mas nada de negativo nesta data, principalmente para uma pessoa nada apegada a superstições. Hora marcada para sair de Brusque e quem iria no carro comigo teve problemas de saúde com familiares e acabou tendo que cancelar sua ida, então estava eu de saída sozinho.

Um transito tenso de sexta-feira à noite com muita cerração, e após pouco mais de uma hora e meia na estrada chegava ao destino. Fui recepcionado pelo Roberto em frente a Marinha e nos deslocamos até sua casa aonde conheci a Gabriela, com quem havia feito os contatos anteriores e combinado a hospedagem.

Enquanto esperava o restante do pessoal chegar, aproveitamos para conversar, conhecer um pouco do trabalho deles, falar das experiências vividas e do pedal que estava programado para fazer no próximo dia. Por volta das 23 horas o Eder chegou e também sem seu companheiro de deslocamento que desistiu minutos antes de partir para a cidade. Continuamos a conversa por mais algum tempo, mas logo fomos descansar para o próximo dia.

Nossos aposentos já estavam caprichosamente preparados e tivemos o privilégio de dormir com a janela aberta, aquela brisa magnífica batendo durante a noite, foi necessário até puxar algumas cobertas em alguns momentos.

dsc01220

Acordamos por volta das 07 horas, quando a claridade já entrava pela janela do quarto e da cozinha vinha um ótimo aroma de café que estava sendo preparado. Logo estávamos sentados à mesa comendo, proseando novamente e quase perdendo o horário para a saída.

Trocamos de roupa e ao descer para pegar nossas bikes, já encontrei a minha bicicleta com a roda instalada, mais um detalhe da exaltada preocupação do Hospedaria da Bicicleta conosco. Chegaram naquele momento alguns amigos deles, rapidamente nos apresentamos e partimos todos até o píer do Centro Histórico.

Chegamos a barca poucos minutos antes de partir, auxiliamos o pessoal a colocar ela na popa da barca amarradas com um corda simples, somente para segurança. Nos despedimos do Roberto e da Gabriela e embarcamos rumo ao outro lado da Baia da Babitonga.

IMG_0525O dia prometia muito, o sol já dava sinais de aparecer mas a cerração continuava forte. Ao chegar na Vila da Glória desembarcamos já paramos no mercadinho para comprar algumas comidas, água e um protetor solar que havia esquecido de levar.

Após 15 minutos iniciamos nosso pedal, seguindo pelo mesmo percurso que alguns meses atrás foi realizado o “Desafio da Serrinha do Saí”. Começamos num ritmo bem calmo e aproveitando muito as paisagens, ajustando as últimas coisas na bike e parando para fotos.

IMG_0534Aos poucos o ritmo foi melhorando e seguimos constante pelo percurso. O tempo passava muito rápido e rápido chegamos aos 30km e a primeira mudança de direção, seguindo pela direita em direção a Itapoá. A partir deste momento a estrada começou a ter bastante pedras e bateu um pouco de arrependimento de ter ido pedalar com a bike de cicloturismo totalmente rígida ao invés de ir de MTB.

IMG_0543Eram perto das onze horas e o sol começou a ficar forte, o calor começou a bater, obrigando a fazer uma parada estratégica junto ao um local que estava lavando seu carro, pedimos a mangueira emprestada e tomamos aquele banho. Rapidamente o local já nos ofereceu uma água estupidamente gelada que já aproveitamos para recompor nossas garrafas. Agradecemos, explicamos sobre o percurso de nosso passeio e seguimos viagem.

IMG_0552Passou uns 4km e chegamos a placa de boas-vindas a Saí Mirim. Poucos quilômetros à frente, encontramos a placa da Cachoeira Casarão. Com aquele calor, não pensamos duas vezes em seguir rumo ao seu encontro. A cachoeira é muito bonita e com um excelente local para banho, mas chegar até nela cansa um pouco, mas no final vale a pena.

IMG_0556O Eder conseguiu aproveitar um pouco mais, já que eu tinha que cuidar para não molhar a bermuda por causa do selim de couro da bike. Tomamos um caldo de cana, reabastecemos as garrafas com água e gelo e seguimos rumo ao encontro da Serrinha.

Um subida de categoria 4 com 1,3km de extensão, 115 metros de ganho de elevação com uma inclinação média de 9,1%. No final, não

IMG_0569

foi nada assustador. Subimos pouco e descemos muito, aproveitando para relaxar e chegar ao final do pedal e seus 64km antes mesmo das 15 horas. Paramos na sorveteria para tomar um refrigerante para refrescar e logo vi alguns ciclistas sentados mais à frente. Logo fomos conversar com eles, 

IMG_0572

 descobrimos que alguns vieram de Jaraguá do Sul até Joinville de onde vieram pedalando e ainda retornariam depois de algum descanso, mas a preocupação era grande, pois não havíamos analisado tão criteriosamente esta subida e estávamos preocupados com o horário pois já eram quase 14 horas e a única opção de retorno para o Centro Histórico seria as 16 horas.

IMG_0573Após se despedir do pessoal, aproveitamos da dica recebida do Roberto e Gabriela e fizemos nosso pedido no restaurante que fica junto ao trapiche. Fomos muito bem atendidos, expliquei sobre minhas necessidades alimentares sem glúten e fizemos o pedido de um filé de pescada.

Com agilidade de FASTFOOD, em menos de 10 minutos já recebemos nossa comida na mesa, uma delícia, ainda mais com o visual que o local proporcionava.

IMG_0574 Chegou a horário de retornar ao Centro Histórico, embarcamos novamente com nossas “magrelas”, desta vez a barca estava cheia, alguns trabalhadores e alguns turistas.

Ao desembarcar, para nossa surpresa, lá estavam o Roberto e a Gabriela esperando e nos acompanharam até

IMG_0582

sua hospedaria. Tomamos um banho e fomos convidados pelo Roberto para visitar o Museu do Mar, no qual fomos presentados com sua companhia e serviços de guia no local. Fizemos uma visita rápida no local devido ao horário, mas valeu muito a pena, principalmente pelas claras e específicas explicações recebidas de nosso guia.

Ao final paramos no Café do Museu, aonde conhecemos o pessoal e tomamos um expresso. O local é fantástico, um visual magnífico, um clima sensacional, que proporcionou um longo “papo de bar”. Para ser sincero, naquele momento bateu um baita arrependimento de ter programado o retorno no sábado, pois vale cada minuto a mais que se passa naquele ambiente.

Estava na hora de retornar, acabar de arrumas a coisas, tentar colocar tudo novamente na mochila, montar a bike no carro e seguir para casa.

IMG_0583

Antes da partida uma foto para recordação, com os “gente boa” Roberto e Gabriela que foram simplesmente fantásticos nestes poucos momentos que passamos juntos. Deixo aqui publicamente nosso agradecimento.

Descida do Cindacta e Serra do Corvo Branco 2013

Dia 02/03/2013 nos dirigimos rumo a cidade de Braço do Norte para participar de mais um evento da Loja Bike e Adventure. Estavamos em 8 bikes (Douglas, Eder, Fabico, Luizão, Léo, Marcos, Pirão e Sandro). As bikes foram embaladas e colocadas na Van. A programação era parar no caminho e fazer nosso almoço.

Passamos no mercado e realizamos a compra de espetinhos de carne e bebidase seguimos sentido ao Sul do Estado. Nossa programação inicial era almoçar em Laguna, mas realizamos a parada um pouco antes na Praia do Sonho em frente a Ilha do Papagaio. Após uma surra do vento para fazer fogo, estavamos lá na praia aproveitando nosso almoço – ESPETINHO. Todos satisfeitos seguimos viagem para a cidade de Braço do Norte, faltavam ainda uns 150k aproximadamente.

Chegamos em nosso destino final, pouco antes das 17hrs e aproveitamos para dar uma trato final na embalagem da bike e deixar elas na loja para carregarem no caminhão no outro dia cedo. Tudo combinado fomos para o hotel, tomar um banho, descasar e mais tarde Janta.

Acordamos cedo, por volta das 05:30 da manhã para arrumar as coisas e tomar café, pois do horário máximo de partida era as 7hrs de frente a loja, chegando lá embarcamos no último Micro-Onibus rumo a serra, enquanto as bikes já estavam prontas nos caminhões. Depois de uma longa viagem e impressionados com a Serra do Corvo Branco a qual haviamos passado com dificuldades de micro-onibus chegamos a ponto de partida. Nossas bikes ainda não haviam chego ao local e tivemos que esperar mais uns 30 minutos, aonde acabamos ficando por último já que nossas bikes eram as primeiras do camminhão e portanto as ultimas a serem descarregadas. Bikes desembaladas, conferidas e ajustadas iniciamos a fantastica descida do Morro da Igreja, foram 30 minutos com poucos rodadas no pedal e muito freio na mão. Alguns neste percursos já sinalizaram falta de freio, o que iria complicar ainda mais para frente.

Após toda a descida, era hora de encarar a subida da Serra do Corvo Branco, embora iriamos “escalar” ela pelo lado mais fácil, sentido Urubiçi > Braço do Norte. Chegando ao cume, a estrutura de ponto de apoio montado e fomos recebidos com Gatorade e Sanduiches. Galera abastecida era hora de aproveitar o visual, bater muitas fotos e realizar uma descida ingreme e perigosa. Foram mais uns 60 km e chegamos ao final, alguns cansados, alguns exaustos, mas todos sujos e contentes de ter realizado um passeio incrível. Agora era hora de banho e almoço para retornar para casa.

Confira o Vídeo:

Confira as fotos:

Desafio 100km de MTB 2012 – Bike e Adventure

Aconteceu neste final de semana em Braço do Norte, organizado pela loja Bike e Adventure o Desafio 100k de Moutain Bike. “Evento que tem como objetivo levar os atletas para curtir o belo visual da regiao, andando por estradas antigas, em meio a natureza e mesclando trechos de terra e asfalto. O Desafio 100K, é um desafio não competitivo que consiste em cada atleta terminar o circuito do seu modo e estilo de pilotagem, dentro de um prazo de 8 Horas. Enquanto alguns gostam de acelerar as magrelas e ver o quão mais rápido é possivel terminar o trajeto, outros fazem seu circuito com calma e tranquilidade aproveitando cada minuto de prazer que o Mountain Bike pode Oferecer”. Continue lendo “Desafio 100km de MTB 2012 – Bike e Adventure”